Saidinha: Congresso Nacional define data para analisar veto de Lula

Depois de alguns adiamentos, deputados federais e senadores chegaram a um entendimento e decidiram que na próxima terça-feira (28), irão, enfim, analisar vetos do presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

Apesar de terem definido a nova data, ainda não há acordo feito pela base do governo com os demais congressistas sobre quais decisões presidenciais serão mantidas e derrubadas.

Entre os vetos que serão analisados pelo Congresso Nacional está o PL que praticamente extingue as saidinhas temporárias no Brasil.

O fim das saidinhas foi aprovado quase que por unanimidade no Congresso Nacional. No Senado, foram 62 votos a favor e apenas 02 contrários. Na Câmara Federal, os deputados, que haviam aprovado em 2023, mantiveram as mudanças do PL feitas no Senado.

No entanto, o presidente Lula decidiu vetar parcialmente o PL que extinguia a saidinhas temporárias de apenados no Brasil.

É aguardar e conferir, mas a pressão será grande pela derruba do veto do PL das saidinhas.

Carlos Lula relembra expansão da rede de hemodiálise e comemora ampliação do serviço

O deputado estadual Carlos Lula (PSB) utilizou a tribuna, na manhã desta quarta-feira (22), para relembrar a significativa expansão da Rede de Hemodiálise no Maranhão durante sua gestão à frente da SES (Secretaria de Estado da Saúde).

O parlamentar celebrou o recente anúncio do governador Carlos Brandão (PSB) sobre a ampliação do serviço para outras cidades do estado.

Em 2014, tínhamos apenas 25 máquinas de hemodiálise em nossa rede estadual. Durante minha gestão na SES, esse número saltou para 310, um aumento de mais de 1000%. Essa expansão não é apenas numérica, representa vidas salvas e qualidade de vida para os pacientes renais crônicos”, disse.

O deputado ressaltou a importância da regionalização do atendimento, que trouxe melhorias significativas para os pacientes que necessitam de hemodiálise várias vezes por semana.

“Instalamos alas de hemodiálise em várias cidades, incluindo São Luís, Presidente Dutra, Balsas, Chapadinha e Pinheiro. Além disso, garantimos atendimentos em Bacabal, Caxias e Açailândia. A pactuação com Floriano, no Piauí, beneficia também São João dos Patos e região”, complementou.

Ainda durante seu pronunciamento

O anúncio do governador Carlos Brandão reforça o compromisso com a saúde renal dos maranhenses, que vem sendo reafirmada de 2015 até hoje. Eu fui testemunha da mudança e me orgulho de ter participado como gestor de grande parte dessa expansão. Quero parabenizar o Governo do Estado do Maranhão, porque o Hospital Regional de Barreirinhas ganha uma ala para diálise. Em breve, Colinas, Grajaú e Barra do Corda também receberão o serviço”, comemorou.

Lula ainda solicitou a expansão dos serviços para Santa Luzia do Paruá e Santa Inês.

Eu já queria pleitear ao governador o olhar para Santa Luzia do Paruá, onde temos um Hospital Regional, e para Santa Inês, expandindo o serviço também a essas cidades. Então, em nome de todos os pacientes renais crônicos e dos profissionais de saúde, eu reafirmo nosso compromisso em continuar lutando pela expansão e fortalecendo dos serviços de hemodiálise no Maranhão. Parabenizo o Governo do Estado pelo fortalecimento da rede e desse imenso SUS que faz a gente ter orgulho”, destacou Carlos Lula.

Rede Expandida

Durante a gestão de Carlos Lula na Secretaria Estado da Saúde (SES), foram implementados o Centro de Hemodiálise São Luís, novas máquinas de diálise no Hospital Dr. Carlos Macieira e no Hospital da Vila Luizão; Centros de Hemodiálise em Balsas, Pinheiro e Presidente Dutra; Ala de hemodiálise nos Hospitais Regionais de Chapadinha e Carutapera. Além disso, foram instaladas 51 máquinas em Bacabal, 62 em Caxias e 28 em Açailândia.

Foi estabelecida uma parceria com o município de Floriano, no Piauí, garantindo atendimento a mais de 90 pacientes da Região de Saúde de São João dos Patos. Durante mais de seis anos à frente da SES, Carlos Lula entregou 310 máquinas de hemodiálise, atendendo à necessidade de mais de 1.800 pacientes, representando um aumento de 1140%.

Professores da UFMA decidem manter greve geral

Em Assembleia Geral realizada na segunda-feira, 20, a Associação dos Professores da Universidade Federal do Maranhão (APRUMA) decidiu pela continuidade da greve geral, iniciada em 15 de abril. A decisão foi tomada após a rejeição, por ampla maioria, da proposta apresentada pelo Governo Federal na última rodada de negociações no dia 15 de maio.

A proposta do Governo Federal, apresentada na Mesa de Negociação, não atendeu às expectativas da categoria, que mantém suas reivindicações por melhores condições de trabalho e salários. Dentre os principais pontos de discórdia estão a recomposição do orçamento público das universidades, institutos federais e CEFETs, além de questões ligadas à assistência estudantil, paridade entre ativos e aposentados e a revogação de leis e regulamentos considerados prejudiciais à Educação Pública.

Durante a Assembleia, os professores da UFMA decidiram apresentar uma nova contraproposta ao Governo Federal. As principais demandas são:

  • Reposição da Inflação: Garantia de reposição da inflação para o ano de 2024, com base no Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA).
  • Mesas de Negociação Permanente: Manutenção de mesas de negociação permanente para discutir questões relacionadas à carreira, recomposição do orçamento das universidades, institutos e CEFETs, e a revogação de leis e regulamentos que afetam negativamente a Educação Pública.

Foi indicado o nome do professor Antonio Gonçalves, vice-presidente da APRUMA, para compor o Comando Nacional de Greve (CNG) a partir do próximo dia 25 de maio. Esta semana, a representação da UFMA no CNG, em Brasília, está sendo feita pelo professor Saulo Costa, do Colégio Universitário (Colun/UFMA).

Incomodado com perguntas do delegado da PF, ministro decide manter silêncio

Continua repercutindo a reação do ministro das Comunicações Juscelino Filho (União Brasil) no depoimento que ele prestou à Polícia Federal na sexta-feira, no qual nada respondeu e criticou duramente o procedimento do delegado que o interrogou em mais um passo da Operação Adroaca.

O ministro foi orientado a permanecer em silêncio quando o policial iniciou o interrogatório fazem perguntas que nada tinham a ver com o foco da investigação: o suposto desvio no uso de emendas por ele destinadas à Prefeitura de Vitorino Freire, e que segundo a PF teriam sido usadas na pavimentação de estradas que passariam por fazendas pertencentes aos Rezende no município.

Horas depois da suspensão do interrogatório, o ministro Juscelino Filho atacou: “Infelizmente, o delegado optou por basear suas perguntas em informações que extrapolam o objeto da apuração, que sequer foram fornecidas a meus advogados, evidenciando que o propósito da investigação é devassar a minha vida e encontrar algo contra mim a qualquer custo. Esse método repete o modus operandi da Operação Lava Jato que, como sabemos, resultou em consequências danosas a pessoas inocentes”, criticou o ministro.

Por conta da decisão do ministro Juscelino Filho de ficar calado, sua defesa vai pedir uma nova data para que ele preste depoimento dentro das regras. São Luís, 19 de Maio de 2024.

Lula afirma que pretende disputar mais dez eleições, mesmo aos 81 anos

Durante sua mais recente visita ao Rio Grande do Sul para avaliar os estragos causados pelas intensas chuvas no estado, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) fez declarações que dissiparam quaisquer dúvidas sobre suas intenções políticas para o futuro.

O líder petista afirmou que não tem planos de se aposentar da vida política tão cedo. “Eu vou viver até os 120 anos, eu vou demorar. Já falei para o homem lá em cima: não estou a fim de ir embora. Preciso disputar umas dez eleições, mais uns 20 anos. O Lula de bengala disputando eleição”, disse ele.

Essas palavras ecoaram na mídia, levantando especulações sobre a possibilidade de Lula concorrer à presidência novamente em 2026, quando terá 81 anos de idade. A postura confiante do ex-presidente em relação ao seu futuro político deixou claro que ele não planeja se aposentar tão cedo, mesmo que necessite do auxílio de uma bengala.

Maioria dos brasileiros não quer que Lula seja reeleito em 2026

Uma nova pesquisa Genial/Quaest lançou luz sobre o panorama eleitoral brasileiro a dois anos e quatro meses das próximas eleições presidenciais. Os resultados, baseados em entrevistas presenciais com 2.045 cidadãos brasileiros com 16 anos ou mais em todos os estados, entre os dias 2 e 6 de maio, revelam uma paisagem política repleta de nuances e divisões.

O estudo destaca que, se a eleição ocorresse hoje, uma maioria significativa de 55% da população não estaria disposta a conceder uma nova chance ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva, do Partido dos Trabalhadores (PT). Este cenário aponta para um desafio substancial para o líder político, que, no entanto, mantém um apoio sólido em certos segmentos demográficos e geográficos.

O apoio a Lula para um novo mandato é particularmente forte no Nordeste, onde 60% dos entrevistados expressaram sua preferência por ele, em comparação com 38% que se opõem. Além disso, entre os que ganham até dois salários mínimos e os que têm níveis de educação até o Ensino Fundamental, Lula conta com uma vantagem de 54% a 43%.

No entanto, até mesmo entre grupos tradicionalmente favoráveis a Lula, como as mulheres, há uma tendência crescente de desaprovação, com 52% se posicionando contra sua reeleição, uma mudança notável em relação aos resultados passados.

No campo da oposição, Michelle Bolsonaro emerge como uma figura proeminente, com 28% dos entrevistados indicando-a como o nome mais apto a enfrentar Lula nas urnas. No entanto, sua candidatura é acompanhada por uma rejeição significativa, afetando sua viabilidade eleitoral, com metade do eleitorado expressando aversão à sua possível candidatura.

Outro destaque entre os candidatos da oposição é o governador de São Paulo, Tarcísio de Freitas, do partido Republicanos, que alcança 24% das preferências, apesar de enfrentar uma rejeição de 30%.

Quanto à disputa direta entre Lula e Tarcísio em 2026, os resultados sugerem um embate acirrado, com 46% dos entrevistados declarando apoio a Lula, contra 40% para Tarcísio. Regionalmente, o Nordeste permanece como um bastião para Lula, garantindo-lhe uma vantagem substancial, enquanto Tarcísio lidera em outras regiões do país.

Por fim, a pesquisa ressalta que, entre aqueles que votaram em branco, anularam seus votos ou se abstiveram no segundo turno das eleições anteriores, Tarcísio de Freitas ganha destaque, com 37% de apoio, seguido de perto por Lula, com 32%.

A margem de erro da pesquisa é de 2,2 pontos percentuais, o que destaca a importância de interpretar esses resultados com cautela, à medida que o país avança em direção às eleições de 2026.

Brandão propõe e Governo da União admite federalizar a MA-14, a MA-106 e a MA-006

As rodovias estaduais MA-014, que liga Vitória do Mearim a Pinheiro, a MA-106, entre Pinheiro e Governador Nunes Freire, passando por Santa Helena, e a MA-006, entre Tasso fragoso e Alto Parnaíba devem ser federalizadas. A federalização foi definida ontem numa reunião do governador Carlos Brandão (PSB) com o ministro dos Transportes, Renan Filho.

Esse é o desfecho de uma longa gestão, com altos e baixos, do Governo do Maranhão para colocar essas rodovias, que são essenciais para o estado, sob a responsabilidade da União. Ao longo do tempo, ficou claro que O governador Carlos Brandão tentou fazer essas mudanças desde que assumiu, em abril de 2022. Mas só no atual Governo houve abertura para a transferência, que, vale lembrar, ainda está em processo de encaminhamento.

O Governo do Estado pede a federalização porque são rodovias extremamente longas para os padrões maranhenses. E como foi constatado ao longo do tempo, o Governo do Estado não dispõe de recursos financeiros para mantê-las. E esses itens da malha rodoviária do estado ainda têm trechos a serem concluídos e os seus custos de manutenção não podem ser mancado pelo estado.

Otimista com a decisão acertada com o ministro dos Transportes, o governador Carlos Brandão justificou o acordo, que será ratificado em breve:  “Sabemos da grande necessidade de co9nstruir e manter uma estrada à altura do povo que precisa dessas rodovias, ou seja, uma estrada com pavimento rígido de concreto. Por isso viemos a Brasília solicitar a federalização junto ao Ministério, para que o Governo Federal possa absorver a execução e resolver definitivamente esta questão”.

O ministro Renan Filho fez questão de assinalar a boa relação entre os governos federal e do Maranhão, que já rendeu frutos para o estado no que diz respeito à mobilidade urbana.

Brandão e Lula reforçam parceria em prol do desenvolvimento do Maranhão

Ontem, uma reunião de trabalho entre o governador do Maranhão, Carlos Brandão (PSB), e o presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva (PT), no Palácio do Planalto, dissipou qualquer dúvida sobre a excelente relação entre os dois líderes políticos. O encontro, que faz parte de uma série de diálogos estabelecidos desde a recente viagem à Colômbia, onde o governador acompanhou a comitiva presidencial, foi marcado pela discussão de uma ampla gama de pautas, com destaque para infraestrutura, saúde e educação.

Num ambiente marcado pela cordialidade e pela longa trajetória de cooperação política, o governador apresentou os pleitos do estado, os quais foram recebidos com boa vontade pelo presidente. Brandão expressou sua gratidão pelos investimentos federais recentes no Maranhão, incluindo projetos aprovados no Novo PAC Seleções e no programa “Minha Casa, Minha Vida”.

Entre os agradecimentos, destacou-se a conclusão da BR-226 em Timon, uma demanda histórica dos moradores da região, assim como a revitalização da malha rodoviária federal que corta o estado, visando garantir maior segurança e mobilidade para os cidadãos.

Além dos assuntos administrativos, houve espaço para avaliar o cenário político nacional e estadual, com o presidente demonstrando interesse nos preparativos da base governista para as eleições municipais. Ambos concordaram que o resultado dessas eleições será fundamental para o grande embate eleitoral de 2026.

Num gesto de cooperação e confiança mútua, o governador convidou o presidente Lula da Silva para visitar o Maranhão e inaugurar as próximas obras federais no estado, com diversas delas já em processo de retomada. O convite foi aceito pelo presidente, evidenciando a continuidade e o fortalecimento da parceria entre o Palácio dos Leões e o Palácio do Planalto.

Lula pode resolver sucessão de Lira e substituir Juscelino Filho

Com a possível saída de Arthur Lira da presidência da Câmara dos Deputados, os líderes no Congresso já estão considerando alternativas, visando resolver não apenas essa sucessão, mas também lidar com outros entraves.

Entre esses líderes, há a ideia de que o presidente Lula poderia atuar de forma estratégica, buscando uma solução que beneficiasse seus interesses políticos e partidários.

Uma dessas alternativas seria indicar Elmar Nascimento para o cargo de ministro das Comunicações, em substituição a Juscelino Filho, que enfrenta problemas.

Essa mudança poderia ter dois efeitos importantes. Em primeiro lugar, resolveria parte das tensões em torno da eleição para a presidência da Câmara, reduzindo o número de candidatos e potencialmente unindo a base de apoio em torno de alguns poucos nomes.

Isso traria mais estabilidade e previsibilidade ao processo eleitoral.

Além disso, a saída de Juscelino Filho do governo poderia ser vista como um movimento para aliviar as pressões sobre o executivo, especialmente em meio a eventuais escândalos envolvendo o seu nome.

Congresso Nacional analisará vetos de Lula na próxima quinta-feira

Depois de uma série de adiamentos, os membros do Congresso Nacional finalmente chegaram a um consenso e marcaram para a próxima quinta-feira (09) a análise dos aproximadamente 30 vetos impostos pelo presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

Entre os vetos a serem examinados pelos parlamentares está o projeto de lei que efetivamente elimina as chamadas “saidinhas temporárias” no Brasil.

A abolição das saidinhas recebeu quase apoio unânime no Congresso Nacional. No Senado, foram registrados 62 votos a favor e apenas 02 contrários. Na Câmara Federal, os deputados, que já haviam aprovado o projeto em 2023, mantiveram as alterações propostas pelo Senado.

No entanto, o presidente Lula optou por vetar parcialmente o projeto de lei que extinguia as saidinhas temporárias para apenados no país.

Além disso, o Congresso Nacional também deverá votar o veto parcial à Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO), que inclui, entre outros aspectos, um cronograma para o pagamento, pelo Governo Lula, das emendas parlamentares obrigatórias.

A sessão marcada para a próxima quinta-feira será a primeira sessão deliberativa do Congresso Nacional em 2024.