Braide sente a rejeição popular e faz ato vazio no Coroadinho

Em uma demonstração clara da rejeição popular, o prefeito de São Luís, Eduardo Braide (PSD), enfrentou uma situação constrangedora durante um evento realizado no bairro do Coroadinho noite desta quarta-feira (17).

A entrega da nova quadra no local se transformou em um vexame histórico para o chefe do executivo municipal e fez um ato vazio durante a inauguração do local.

O evento teve como cenário a Rua da Felicidade, S/Nº, Vila Conceição, onde está localizada a nova quadra. No entanto, a população presente demonstrou insatisfação com a obra, considerando-a mal feita. Um dos principais pontos de descontentamento foi a destruição da arquibancada que anteriormente existia no local.

O episódio evidencia a impopularidade do prefeito Braide, que se viu diante de uma recepção desfavorável por parte da comunidade. A rejeição pública durante o evento ressalta a insatisfação dos moradores com a gestão municipal e suas iniciativas.

Ex-secretário de Braide é exonerado do cargo de Diretor de Comunicação da Câmara de São Luís

Na tarde desta segunda-feira, 8, a Câmara Municipal de São Luís anunciou a exoneração do jornalista Igor Almeida do cargo de Diretor de Comunicação. Almeida, que anteriormente ocupou o posto de Secretário de Comunicação na gestão do prefeito Eduardo Braide (PSD), teve uma breve passagem de pouco mais de dois meses na função.

Igor Almeida assumiu o cargo de Diretor de Comunicação no início de fevereiro deste ano. Sua saída precoce do cargo levanta questionamentos sobre os motivos por trás da decisão e quais serão os próximos passos da comunicação da Câmara Municipal de São Luís.

Até o momento, não foram divulgadas informações oficiais sobre quem será o substituto de Igor Almeida no cargo de Diretor de Comunicação da Câmara Municipal.

Prefeitura de São Luís prejudica o Sampaio Corrêa

O Sampaio Corrêa emitiu um comunicado informando que o jogo desta terça-feira (2) contra o Imperatriz, no Estádio Nhozinho Santos, será realizado de portões fechados. A decisão foi tomada pela Federação Maranhense de Futebol (FMF) devido à falta de laudos técnicos necessários para garantir a segurança dos torcedores. A principal alegação para essa medida é a ausência de para-raios, colocando em risco a integridade física dos espectadores.

Ronald de Almeida Silva, da Diretoria de Planejamento e Setor de Análise de Laudos Técnicos, destacou a falta de para-raios como um fator crítico para a presença de público, especialmente durante as tempestades comuns na região metropolitana de São Luís.

O presidente do clube, Sergio Frota, contestou essa decisão, questionando por que apenas os torcedores estariam em risco, enquanto jogadores, árbitros e demais profissionais estariam no campo sem nenhuma preocupação semelhante. Frota também criticou a falta de esforços da FMF para resolver o problema e levantou dúvidas sobre a situação de outros estádios que continuam recebendo jogos normalmente.

Frota aproveitou para questionar o presidente da FMF, Antônio Américo, sobre a situação nos outros estádios, levantando dúvidas sobre a real preocupação com a segurança do torcedor.

É importante ressaltar que o estádio é responsabilidade da Prefeitura de São Luís, e a questão da segurança, portanto, deveria ser solucionada pela gestão municipal em relação à ausência de para-raios.

MP investiga falta de pavimentação, asfaltamento e drenagem em bairros de São Luís

O MPMA – Ministério Público do Estado do Maranhão iniciou uma investigação para apurar possíveis irregularidades relacionadas à falta de pavimentação, asfaltamento e drenagem das vias no Residencial Primavera, em São Luís.

A partir da Notícia de Fato nº 046338-500/2023, que foi instaurada para acompanhar as medidas a serem tomadas pelo Poder Público Municipal em resposta ao pedido de melhorias nas ruas do Residencial Primavera, como Tancredo Neves, do Passeio, do Cajueiro, 13 de Maio, do Amor, Boa Esperança, Flamengo, das Carneiras, Bom Jardim, do Sítio 1 e 2, 1ª e 2ª Travessas São Pantaleão e 1ª e 2ª Trav. Tancredo Neves, o MPMA decidiu instaurar um procedimento administrativo para acompanhar de perto as políticas públicas referentes à pavimentação, asfaltamento e drenagem dessas vias.

A falta de infraestrutura adequada nessas ruas tem gerado preocupação e insatisfação entre os moradores, que têm enfrentado dificuldades de acesso e transtornos causados pela precariedade das condições das vias.

MP investiga denúncia contra a Prefeitura de São Luís

O MPMA – Ministério Público do Maranhão está conduzindo uma investigação após receber denúncia contra a gestão do prefeito de São Luís, Eduardo Braide (PSD). A denúncia, registrada sob a Notícia de Fato nº 043811-500/2023, foi convertida em Inquérito Civil, conforme o artigo 7º da Resolução CNMP nº 174/2017.

O foco da investigação está na averiguação do possível descumprimento de normas urbanísticas e ambientais pelo Município de São Luís, especialmente em diversas ruas do bairro Recanto dos Vinhais. As supostas irregularidades incluem a ausência de pavimentação em vias, propriedades particulares sem muro e calçamento, falta de sinalização horizontal e vertical em vias de grande movimentação, depósito irregular de lixo em calçadas públicas e terrenos baldios, além da ocorrência de queimadas.

A iniciativa do MPMA visa garantir o cumprimento das legislações urbanísticas e ambientais, buscando a preservação do meio ambiente e o bem-estar dos cidadãos de São Luís.

MP investiga denúncia contra gestão de Braide

O MPMA – Ministério Público do Maranhão está investigando uma denúncia relacionada à gestão do prefeito de São Luís, Eduardo Braide (PSD).

A investigação foi instaurada com base na Notícia de Fato de número 046339-500/2023, que acompanha as providências a serem tomadas pelo Poder Público Municipal em relação ao pedido de pavimentação, asfaltamento e drenagem do final da Avenida Sabiá, que vai desde a entrada do Residencial Luiz Bacelar até a estrada do Maracanã, passando pelo Sítio Jacú.

Com o objetivo de monitorar as políticas públicas relacionadas à pavimentação, asfaltamento e drenagem da referida via, o MPMA instaurou o procedimento administrativo.

Lahesio Bonfim nega apoio do Partido Novo à reeleição de Braide em São Luís

O ex-prefeito de São Pedro dos Crentes e ex-candidato a governador do Maranhão, Lahesio Bonfim, declarou que o Partido Novo apresentará um candidato próprio à prefeitura de São Luís nas próximas eleições municipais.

Em um vídeo divulgado nas redes sociais, Bonfim anunciou que a candidatura será oficializada em um grande evento na cidade em breve. Esta manifestação surge em meio a crescentes especulações de que uma ala do partido estaria inclinada a oferecer apoio ao atual prefeito de São Luís, Eduardo Braide, do PSD, em sua busca pela reeleição.

As especulações sobre o suposto apoio ao atual prefeito têm circulado nos bastidores políticos. No entanto, a declaração de Bonfim põe fim ao sonho de Braide de contar com o apoio da legenda nas eleições de 2024.

 

Blocos Tradicionais acinonam a Justiça contra secretário de Cultura de São Luís 

O secretário de Cultura da gestão do prefeito Eduardo Braide (PSD) está enfrentando uma ação judicial movida pelos blocos tradicionais Kambalacho do Ritmo, Os Feras e Os Indomáveis, devido a supostas irregularidades na apuração do concurso de desfile de Blocos Tradicionais no Carnaval de Passarela 2024.

As agremiações entraram com um mandado de segurança contra o secretário, solicitando a anulação imediata do concurso deste ano. Além disso, pedem a suspensão do pagamento da premiação aos vencedores e dos cachês aos jurados habilitados.

Este é o terceiro processo judicial movido contra a gestão de Braide apenas nesta semana. Na quinta-feira (29), o Ministério Público iniciou uma investigação para apurar denúncias de atraso no pagamento de salários retroativos dos profissionais de enfermagem de São Luís. Já na sexta-feira, o MP ingressou com uma Ação Civil Pública devido à precariedade do sistema da rede de educação básica da capital maranhense.

 

Marco Duailibe se alia a crítico de Eduardo Braide

Marco Duailibe, jornalista e ex-secretário de Cultura na gestão de Eduardo Braide (PSD) em São Luís, anunciou em suas redes sociais sua transição para um novo emprego. Agora, ele integra a equipe do vereador Álvaro Pires (PSDB), figura destacada entre os críticos do atual prefeito da capital maranhense.

Em sua mensagem online, Duailibe expressou gratidão pela oportunidade e destacou a receptividade calorosa da equipe do vereador Pires. Acompanhando a publicação, uma foto mostrava Duailibe ao lado de Pires, simbolizando o início dessa nova jornada profissional.

A saída de Duailibe da Secretaria de Cultura ocorreu em meio ao polêmico “Caso Juju e Cacaia”, que gerou considerável repercussão na administração municipal. Apesar do restabelecimento do contrato entre a Prefeitura e o instituto envolvido, não houve encerramento da sindicância aberta para investigar possíveis irregularidades, nem uma explicação pública do prefeito sobre os motivos da demissão de Duailibe.

Dias Toffoli abre prazo para esclarecimentos sobre cobrança de débito de R$ 5 milhões pela Prefeitura de São Luís

O Ministro Dias Toffoli, relator no Supremo Tribunal Federal (STF) de uma Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF) proposta pelo Governo do Maranhão contra a Prefeitura de São Luís, determinou um prazo de 10 dias para que a gestão Eduardo Braide (PSD) forneça esclarecimentos sobre a cobrança de um débito superior a R$ 5 milhões da Maranhão Parcerias (Mapa).

A ação foi instaurada após a alegação da Mapa de dificuldades para obter uma certidão negativa na Secretaria de Fazenda do Município. Segundo a Mapa, o débito em questão tem origem na Companhia de Habitação Popular (Cohab).

De acordo com Toffoli, o governo Brandão busca “o reconhecimento, com eficácia erga omnes e efeito vinculante, de que a imunidade tributária recíproca é aplicável à MAPA, provocando a anulação de decisões que impliquem continuidade da cobrança de impostos em processos judiciais e administrativos”. O despacho do magistrado foi emitido na última segunda-feira, dia 26. Desta forma, a Prefeitura Municipal tem até o dia 7 de março para fornecer as informações solicitadas.

O ministro salientou que preferiu aguardar os esclarecimentos para emitir uma decisão definitiva. “A relevância da questão debatida na presente arguição de descumprimento de preceito fundamental enseja a aplicação analógica do rito abreviado do art. 12 da Lei nº 9.868/99, a fim de que a decisão seja tomada em caráter definitivo. Solicitem-se informações ao requerido, no prazo de dez dias. Após, abra-se vista, sucessivamente, no prazo de cinco dias, ao Advogado-Geral da União e ao Procurador-Geral da República”, ponderou.